Yo folks, Whatupdue?

Recentemente fui questionado por alguns amigos que querem ser da aviação: vale a pena ser piloto hoje em dia? Então, este post é para balancear investimentos, dificuldades, empregabilidade, cursos complementares e carreiras potenciais. Inicialmente, pontuemos que não sou PLA, então não tenho propriedade nenhuma para falar de salário. Mas assim como os episódios de ‘Supernatural’, vou falar da ‘estrada até aqui’. Estou em um estágio embrionário da minha carreira, conhecendo as entrelinhas da minha escolha de vida, e gostaria então de falar sobre dificuldades, facilidades, e escolhas que fiz, e porquê as fiz. Quem sabe, você se identifica e a gente se ajuda… 🙂

Investimentos: Quais os requisitos mínimos essenciais?

Bom pessoal, quem lê o Aeroagora sabe: Eu simplesmente não admito que sejamos aviadores abaixo do nosso maior potencial. Eu acredito que cada vez mais, que a lenda ‘pilots shortage’ exista. Apesar de parecer história de pirata, entendamos que o Brasil não é o mundo, e mal reflete o que acontece ‘outside’. O oriente médio está em uma excelente onda, os Estados Unidos estão entrando em ‘buffet’ por falta de profissionais preparados, e a China… É quase a terra prometida.

Então, eu acredito que pilotos brasileiros tenham que se preparar muito mais que os outros pilotos, pois eles representarão uma reputação de um novo mundo que está por vir. Um mundo onde a sua carteira ANAC vale tanto quanto uma FAA. Cada vez mais vejo pilotos brasileiros na Copa, Emirates, Korean Air.. Então não vou me ater em falar sobre 150 horas, mas sim de tudo o que você vai efetivamente precisar.

Um piloto que almeja ser reconhecido (por patente e salário), precisa sim de um desenvolvimento acadêmico bom. Não apenas uma faculdade, mas uma pós graduação. Cursos complementares!? Não vou nem falar nada… Um país que nunca viu navegação ADS-B, que RNAV/RNP é novidade de última geração!? Sejamos francos.

Coloque na sua lista: uma faculdade (ciências aeronáuticas), um excelente curso de inglês, porque com ICAO 4 você faz pouquíssimas coisas no mundo, um aeroclube ou escola de aviação cuja sua reputação o preceda, cursos práticos complementares como Upset Recovery, cursos e mais cursos, livros e mais livros (e não falo de manuais, ou os do curso de piloto privado/comercial)… Enfim, Uma longa lista. O intuito não é falar de valores, mas sim do quanto é necessário que seja investido, em tempo, recursos e paciência.

A lista é grande, e o valor tem no mínimo 6 dígitos. O ‘payback’ é longo.. Mas aqui estamos falando de ‘pilot valuation’… Ou seja, o seu valor no mercado. Um piloto bem preparado, não há crise que o pare. Entendamos: ter um Civic ou uma 320i na garagem não é sinônimo de altos ganhos. A compra de um carro é sua primeira manifestação para o outro de poder. Uma casa, demostra estabilidade. Viajens.. Common!? Sua vida é isso. Mas estabilidade? Isso é resultado de escolhas assertivas em uma carreira.

Dificuldade: É muito difícil ser piloto?

Bom, a dificuldade está atrelada a sua resiliência. Quem conta lamúria sobre tudo, até ler este texto será difícil. Ser piloto é difícil sim! Não porque ler manuais é difícil, ou porque tem que estudar muito. Qualquer profissional que se preze conhece os ossos do ofício. E vou te falar: piloto é como qualquer outro profissional. A única diferença é que ele vive geralmente no nível 350, a mach .78.

Para mim, a própria escolha de me tornar piloto, seguir meu sonho, já foi um grande peso. Eu cursava engenharia mecânica em uma das três melhores faculdades particulares de São Paulo, estava participando de quatro processos seletivos para estágio na área em multinacionais. Poderia ter continuado engenharia? Sim, claro! Mas decidi me tornar um dos melhores pilotos que eu conhecesse. Então, jurei fazer tudo o que fosse ético e tangível para isso.

Dificuldade sempre virá. Vezes é o dinheiro que falta para os cursos, vezes é o longo tempo sem respostas. Vezes é uma ‘bad’ que bate por tanto lutar mas, como dizia Nietzsche: ‘a dificuldade é cada vez maior, conforme aproxima-se do topo’. Então, entendo que na realidade, tudo o que passamos é fichinha comparado ao que ainda virá. E tudo se converterá em um fantástico case de sucesso, caso este seja resiliente.

Empregabilidade: Tem emprego pra piloto?

Depende. Você entende que você tem uma carreira que não tem casa, hora, data? Você entende que independente das duas, três, quatro ou ‘cinco faixas’, você estará longe da família? Você está disposto a se preparar, investir nas melhores instituições que puder, e se preparar por longas horas? Então sim, sempre haverá emprego pra você. Seja em baseado em São Paulo, Cuiabá, Dubai, Incheon, ou Anchorage. Não importa. Sua carreira, sua vida está onde o avião está.

Além do mais, a vida não é apenas Boeing, Embraer ou Airbus. Piloto não é só PLA. Existem aeronaves executivas, aeronaves agrícolas, e aeronaves de instrução. Independente de ganhos, você será um profissional que viverá feliz por seguir teus sonhos. Decepções existirão em qualquer carreira.

Enfim: Vale a pena?

O que é mais importante para você? Amor? Família? Estabilidade e Independência Financeira? Porque a resposta para esta o pergunta resume-se a uma coisa: valores. Estes definirão realmente se vale a pena seguir aviação, se isto for teu sonho, e teu objetivo de vida.

Ser piloto para mim é jogar quem eu sou fora, em busca de um eu melhor. Não é uma profissão, mas também um estilo de vida. Quando for colocar na balança entenda que, tudo o que você como piloto precisará é, mesmo tendo um número impressionante de coisas a fazer, estude a si mesmo e seu ambiente operacional para descobrir a melhor maneira de trabalhar de forma produtiva, com pensamento claro e uma sensação positiva de sereno controle. Este modelo corporativo se tornou um estilo operacional decisivo exigido dos profissionais bem sucedidos e com elevado desempenho.

Fly Safe, Folks.

Leave a Reply